Se antes seu cliente se deparava com vários anúncios do mesmo imóvel no jornal*, hoje isso não acontece mais. Por conta da resolução nº 458/95 do Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci) para acontecer o anúncio de um imóvel é preciso fazer um contrato de exclusividade com o corretor. Além disso, os conselhos regionais e também o federal aconselham os profissionais a trabalharem com autorização de venda, onde o proprietário expressa que o corretor poderá negociar aquele imóvel.

Apesar de ser uma norma que veio para ajudar o trabalho do corretor, muitos profissionais acabam preferindo trabalhar sem esse termo de venda (que recebe uma denominação diferente de acordo com a região em que se encontra).

Esse acordo, juntamente com o contrato de exclusividade é uma forma de garantir que depois de captar o imóvel você quem será responsável pela venda e futuro ganho de comissão.

Mas existe um pequeno problema nesse cenário: muitos clientes ainda resistem à ideia de deixar seu imóvel com apenas um corretor ou imobiliária. A visão de que quanto mais corretores estiverem trabalhando, melhor, ainda está muito presente na mentalidade dos vendedores.

O papel do corretor no momento da captação do imóvel é mostrar ao proprietário as vantagens de deixar a transação em suas mãos. Para isso, esteja preparado na visita e saiba avaliar bem a casa ou apartamento. Depois de negociar com o proprietário pontos como o valor, repasse ao vendedor a autorização. Não se esqueça também de que quando um cliente se interessar pelo imóvel, ele deve fazer a proposta de compra, com informações como quanto pretende pagar e quanto dará de sinal para “segurar” a negociação.

*A responsabilidade por fiscalizar os anúncios de imóveis nos meios de comunicação fica por conta do CRECI regional.


TESTE GRATUITAMENTE